"Nosso Carisma:Viver a íntima união com Cristo presente em nós! Tal união transforma em oração cada ação nossa."
Olá! Seja bem vindo(a)! Este é o blog das Irmãs Oblatas de Nazaré. Aqui você vai conhecer um pouco sobre nós...

Uma semente de Nazaré produzindo frutos em Viçosa!


No próximo dia 29 de julho, completam-se 10 anos da acolhida das Irmãs Oblatas de Nazaré em Viçosa. Viemos da Casa Matriz no Brasil, Petrópolis, para assumir junto à Paróquia Santa Rita de Cássia e continuamos com o auxílio de Deus e da comunidade local, na coordenação do Centro de Educação Infantil Santa Rita de Cássia.Fomos convidada para abraçar este projeto tão belo e ousado da Paróquia Santa Rita de Cássia e  viemos então, em julho de 2007 somar forças à esta comunidade através de uma parceria, para implantar este trabalho que com a graça de Deus tem beneficiado tantas famílias de baixa renda que,  necessitam de quem as ajude na missão de cuidar e educar, enquanto trabalham fora de casa para garantir o sustento da mesma.  Toda glória e louvor a Deus por esses anos de graças e bênçãos, nos quais Deus nos permitiu fazer o bem ao próximo nas diversas iniciativas e na convivência fraterna e amigacom tantas pessoas que ajudam para que o Reino de Deus aconteça por meio do trabalho que é desenvolvido.  Aqui se estabeleceu a comunidade Sagrada Família, inicialmente com 3 religiosa, depois outras composições e atualmente formada também por postulantes e aspirante de Viçosa e região. Trouxemos conosco não só as forças físicas com as quais nos entregamos às atividades educacionais e pastorais em nossa Cidade e região, mas também a força do Carisma, deixado a nós por Dom Alberico Semeraro, nosso fundador no ano de 1956, na Itália. E esse carisma está expresso no nosso emblema, sobretudo nas duas palavras que ali se encontram em latim “ECCE= eis  FIAT = faça-se”. Palavras estas que foram acolhidas e vividas pelos três grandes personagens da Sagrada Família de Nazaré: Jesus, Maria e José.  Dom Alberico ao falar da fundação assim se expressa: “Desde o início me veio a inspiração de colocar o vosso Instituto sob a proteção da Sagrada Família, pensando na humilde casa de Nazaré(também representada no nosso emblema), onde todos os dias Maria e José iniciavam o seu trabalho de servos do Senhor”.   É a semente de Nazaré, que contém a vida de Jesus Cristo acolhido por Maria e José, isto é, pela Sagrada Família, onde as dinâmicas da "graça" são evidenciadas nas relações vividas entre Maria, José e Jesus na obediência e na humildade, na colaboração recíproca e no acolhimento carinhoso de todos, especialmente dos mais pequenos e marginalizados. Dom Alberico inspirado pela fé no mistério da Encarnação, e da Sagrada Família, capta os aspectos que menos aparecem na vida de Jesus, mas justamente por isso mais autênticos e verdadeiros do mesmo Mistério: a humildade, a obediência, a pobreza e a dedicação total, e procura inseri-los na alma das criaturas simples, porém, sedentas de Deus através de uma obra de formação espiritual,  a fim de tornar-nos semelhantes a Maria e José em uma vida consagrada inteiramente ao Reino de Deus, abertas para o acolhimento do Mistério, generosas e ativas na colaboração para obra da Redenção mediante a entrega plena e total de nós mesmas a Cristo Senhor, vivo e presente nos irmãos.   Nazaré, portanto, representa um sinal da comunhão com Deus, do qual a Sagrada Família é o exemplo mais sublime: de fato manifestou-se ali a presença de Deus entre os homens da forma mais perfeita. Por isso, Nazaré se torna o lugar do coração, a condição existencial mais animadora para as Oblatas de Nazaré. A humilde cotidianidade, imbuída pela comunhão com Deus e vivida em um clima de família, é o carisma específico deste Instituto religioso. Depois dessa breve apresentação que trás um pouco do espírito que anima a vida e a missão das irmãs entre nós, deixamos um convite para celebrarmos juntos os feitos do Senhor e sua bondade que nunca tem fim, no dia 29 de julho 2017 às 10h , no Santuário Santa Rita de Cássia em Viçosa- MG.

Irmã Geraldinha

Casa São José - Petrópolis


Profissão Perpétua
 Irmãs Oblatas de Nazaré - 2015

Tríduo 02/06, Capela Santa Isabel - Petrópolis - RJ/ 
Irmã Leda de Fatima



Tríduo 03/06, Paróquia São Jorge -  Petrópolis - RJ 
  Irmã  Delza Maria 





Tríduo 05/06, Capela Bom Jesus- Thouzet - Petrópolis - RJ ,
  Irmã  Graziele Tamara da Silva


Profissão Perpétua 2015
    
           Nós Irmãs Oblatas de Nazaré, vivemos um momento de profunda alegria e gratidão a Cristo Bom Pastor. Três jovens movidas pela força do Espírito Santo e enamoradas de Cristo, após um período de formação e de escuta atenta da Palavra de Deus disseram seu sim perpétuo a Cristo. Sim esse que as disponibiliza a entregar-se diariamente nas mãos do Mestre, como instrumentos dóceis do Seu divino Amor, para que todos aqueles que delas se aproximarem, possam sair mais enriquecidos de amor, ternura, fé e entusiasmo que vem do próprio Senhor.
          Esse momento foi acolhido como um presente de Cristo para nós, porque convidados pelo nosso amado Papa Francisco vivemos o Ano da vida Consagrada: Evangelho, Profecia, Esperança. O que são essas palavras se não viver em profundidade a primazia do chamado? Renovar constantemente o primeiro amor e se deixar encantar cada dia mais por Cristo? Viver a profecia, sendo sinal dos bens futuros, de eternidade, da vida que supera a morte? Sendo sinal de esperança, indo ao encontro do próximo nas periferias existenciais do ser humano, com o coração repleto de amor, de alegria, mesmo quando tantos “ventos contrários” nos tentam atingir de todos os lados e em todos momentos?
          O nosso saudoso São João Paulo II com sua profunda experiência de intimidade com o Senhor Jesus nos deixou uma orientação fundamental, quando disse: “Cada Religiosa deve dar testemunho da primazia de Deus na sua vida, consagrando todos os dias um tempo suficientemente prolongado a estar na Sua presença para confessar-lhe o seu amor e, sobretudo, para deixar-se amar por Ele”


Irmãs, não deixem a vida de vocês se tornar um desenfreado fazer, valorize os momentos de oração e não tenham medo de amar e deixar-se ser amadas por Jesus e por todos aqueles que Ele continuar colocando em seus caminhos. O que podemos oferecer ao nosso semelhante se não o Amor de Cristo e nossa doação?

Ir.Graziele: não dá pra escapar, são palavras do profeta Jeremias: “Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia, antes de teu nascimento, eu te havia consagrado”. Coragem, siga os caminhos que o Senhor tem pra você                                                                      .                                                                                               




Ir.Leda de Fátima:
“se alguém quiser vir comigo, renuncie a si mesmo...” que maravilha! Por Ele e com Ele, vamos em frente...

                                       




Ir.Delza: você pode até continuar pescando alguns peixinhos no seu tempo livre, porém saiba que sua missão é de ser pescadora de almas, “Vinde após mim e vos farei pescadores de homens”. Desafio? Com alegria! Com esse largo sorriso que você bem tem, pode estar certa que não será difícil, porque é Cristo que te pede.




                          
Que a Sagrada Família lhes acolha! 
Autora: Irmã Neusa 























2015 - Ano dedicado à Vida Consagrada 


 "Vida Consagrada na Igreja Hoje: Evangelho, Profecia e Esperança", será o lema que a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica apresentou para o Ano dedicado à Vida Consagrada, evento que iniciará no próximo dia 30 de novembro por convocatória do Santo Padre Francisco e se estenderá até o dia 02 de fevereiro de 2016.

O logo foi confiado à pintora Carmela Boccasille do ‘Studio
d'Arte Dellino', Itália
Além do lema, a Congregação Vaticana também deu a conhecer o logotipo que identificará este tempo, o qual foi confiado à pintora Carmela Boccasille do ‘Studio d'Arte Dellino', Itália. Nele se observa uma pomba que sustenta sobre sua asa um globo poliédrico, ao mesmo tempo que se encontra sobre as águas, onde também se levantam três estrelas.
"O logo expressa, por meio de símbolos, valores fundamentais da vida consagrada. Nela se reconhece a 'obra incessante do Espírito Santo, que ao longo dos sinais difunde as riquezas da prática dos conselhos evangélicos através de múltiplos carismas, e que também por esta via se faz presente de modo perene na Igreja e no mundo, no tempo e no espaço, o mistério de Cristo", explica o dicastério vaticano citando a Exortação Apostólica Postsinodal 'Vita Consecrata' de São João Paulo II.
Neste sentido, "a pomba pertence a simbologia clássica para indicar a ação do Espírito Santo fonte de vida e inspirador de criatividade (...) As águas formadas por peças de mosaicos, indicam a complexidade e a harmonia dos elementos humanos e cósmicos, que o Espírito faz 'gemer' segundo os misteriosos desígnios de Deus (...) As três estrelas recordam a identidade da vida consagrada no mundo: como confessio Trinitatis, signum fraternitatis e servitium caritatis (...) O pequeno globo poliédrico significa o mundo com a variedade de povos e culturas (...)".

Este tempo especial, que iniciará no dia 30
de novembro e terminará no dia 2 de
fevereiro de 2016, busca ressaltar a
beleza e dom da Vida Consagrada


Por sua vez, o lema, "dá um ulterior relevo, identidade e horizontes, experiências e ideais, graça e caminho, que a vida consagrada viveu e continua vivendo na Igreja como povo de Deus, no peregrinar das gentes e das culturas, até o futuro", segundo sublinha o dicastério.
O Ano dedicado à Vida Consagrada será um tempo especial para refletir e orar por aqueles que dedicaram seu serviço à igreja através da vida religiosa, que é motor de Fé e presença evangelizadora. O Ano foi convocado em novembro de 2013 pelo Papa Francisco durante um encontro com os Superiores dos Institutos de Vida Consagrada. Convite muito bem acolhido pela Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, dicastério que hoje está encarregado de animar o evento.
A abertura deste tempo especial, com o qual também se busca ressaltar a beleza e dom da Vida Consagrada, será o marco de uma celebração Eucarística presidida pelo Sumo Pontífice na Basílica de São Pedro.
O Ano da Vida Consagrada coincide igualmente com o 50º aniversário do Decreto Conciliar ‘Perfectae Caritatis', sobre a adequada renovação da Vida Religiosa, que tornou público o Papa Paulo VI em outubro de 1965 e no qual se propôs aprofundar na disciplina dos Institutos cujos membros professam castidade, pobreza e obediência, assim como "prover as necessidades dos mesmos em conformidade com as exigências de nosso tempo". (GPE/EPC)

Terço Vocacional

Outubro 2013


Ao encerrar o mês do Rosário e das Missões, lançamos o Terço Vocacional.
Esta é uma iniciativa para atender ao pedido de Jesus que disse: "A messe é grande e os operários são poucos, pedi pois, ao Senhor da Messe que envie operários para a colheita"
(Lc 10, 1-9).
Pedir é tarefa nossa!    Junte-se a nós!!!

Presença Missionária no Brasil

O crescimento do carisma

Se um carisma é dado por Deus em função da sua Igreja, é lógico que deve ser expandido nos setores a que a sua ação é destinada. Dai a importância do desenvolvimento, inclusive institucional, do próprio carisma.
As vocações para a vida consagrada nos últimos tempos sofreram uma profunda crise, pelo menos do ponto de vista numérico, especialmente nas décadas em que o Instituto das Oblatas de Nazaré vivia a fase da sua juventude. Podemos encontrar vestígios desse fenômeno nas cartas de Dom Semeraro. "No dia 7 de outubro de 1985, festa de Nossa Senhora do Rosário - ele escreve - durante o encontro comunitário no encerramento dos exercícios espirituais, foi tomada a decisão de dedicar um ano à oração para implorar novas vocações para o nosso Instituto. Este ano está quase terminando e talvez vocês queiram me dizer: 'Nós todas rezamos bastante tanto individual como também comunitariamente, mas não estamos vendo nenhum resultado positivo" 47.
O Fundador repreende tal afirmação nestes termos: "Para o próximo dia 7 de outubro vai começar o segundo ano de oração e penitência para as vocações, como foi determinado anteriormente" 48.
Com isso, Dom Semeraro quer afirmar que não há necessidade apenas de uma perseverança na oração, mas é preciso também ampliar os horizontes, convidando para a oração outros Institutos aflitos pelo mesmo problema, solicitando inclusive a ajuda da oração de vários mosteiros de clausura.  A esse respeito, escreve: "Eu mesmo fui tratar deste problema com as Monjas Sacramentinas de Bassano del Grappa (Vicenza) e, considerando que corresponderam com viva compreensão e carinho, fizemos a proposta que tal disponibilidade de ajuda recíproca se tornasse como uma aliança estável entre o nosso Instituto e aquela Comunidade. Elas então, mediante a sua vida de adoração contínua, terão presentes de modo particular as Oblatas de Nazaré, enquanto nós poderemos retribuir com a oferta ao Senhor de nossa vida de sacrifício no trabalho da caridade. Nesta aliança da vida de clausura e da vida ativa nos apresentamos ao Senhor como Marta e Maria na Casa de Betânia" 49.
Como é fácil perceber por estas palavras, Nazaré se amplia e se completa no binômio, contemplação-ação.
Apesar das dificuldades que o fenômeno vocacional sofreu em toda a Igreja, o Instituto das Oblatas de Nazaré teve uma notável expansão missionária.
Não é possível acompanhar tal expansão através das cartas de Dom Semeraro. Nelas porém podemos encontrar alguns acenos que ele fez durante a sua última década de vida.
Precisamente depois de apenas dois meses desde o início do segundo ano de oração pelo incremento das vocações, encontramos uma alusão à "pobreza de número, de forças e de novas vocações" e um apelo para importunar Maria para que repita aquilo que já fez em Caná", quando soube que o vinho tinha acabado: Ela então disse aos servidores da mesa: "Fazei tudo aquilo que Jesus vos disser'" 50. Mais tarde, em outra carta, Dom Semeraro exorta as Oblatas a se conscientizarem "com clareza a respeito da desproporção dos nossos compromissos e a limitação das forças à nossa disposição" 51.
De fato, em um certo momento os compromissos transpuseram as fronteiras da Itália. "Obedecendo ao convite do Senhor 'Ide e anunciai!' 52, as Oblatas de Nazaré partem rumo ao Brasil. Na ocasião ele escreve: "Se o grão de trigo ficar no celeiro, não cresce; espalhado, porém, em terreno fecundo, sacrifica a si mesmo para fazer nascer feixes de espigas, com a ajuda do sol e da chuva" 53. E às Oblatas que permanecem na Itália, recomenda: "Vamos pedir ao Senhor, cujo coração é como um sol ardente, que fortaleça e anime o seu fervor mesmo no meio das dificuldades. Por isso, vamos implorar a sua graça concedendo-nos a luz da fé e do fervor" 54.
Na época, Dom Semeraro tinha 85 anos de idade e, como um bom semeador, procurou lançar no terreno um grão selecionado que tinha guardado no celeiro. Naquela ocasião ele lembra às Irmãs que a atividade missionária não deve ser considerada como um "acréscimo", mas sim como um elemento pertencente à essência do carisma de Nazaré. "Enquanto vocês se preparam para partir a fim de começar a atividade missionária, quero chamar a  sua atenção sobre alguns aspectos desse novo trabalho. Tal atividade não é um acréscimo secundário em comparação com as atividades desenvolvidas por todas vocês até agora, e sim uma chamada específica de Cristo, tanto para vocês que partem, quanto para as outras que ficam na Itália" 55.
Todavia, o início da ação missionária não deve ser considerado como algo promocional do Instituto das Oblatas de Nazaré que se expandem além do oceano. "Vocês vão para lá (no Brasil ndr) somente porque se doaram totalmente ao Senhor, como Oblatas de Nazaré. Portanto, somente 'poderão dar muito fruto', como Ele próprio assegurou" 56, renegando de certo modo ao seu eu e vivendo intimamente unidas ao Senhor.
Nesta perspectiva, as Irmãs que partiam em nome de Cristo para divulgar a sua mensagem tornavam-se de verdade instrumentos de Deus no processo de salvação do mundo. A tarefa delas no Brasil não era "conquistar" pessoas para Cristo, mas deviam simplesmente "propor" a elas a mensagem cristã, demonstrando que Cristo na verdade não é um conquistador. "Fiquei sabendo de pessoas informadas - escreve Dom Semeraro - que as pessoas a serem evangelizadas estão tão desejosas de se sentirem amadas e respeitadas, mas, ao mesmo tempo, em geral, são muito sensíveis (...). Pode acontecer, por exemplo, que por causa de uma grosseria, ou uma resposta dura de momento, pode acabar definitivamente com um bom relacionamento (...) que existia há anos. É preciso portanto que o seu amor por Cristo e pelo próximo que Ele confia aos seus cuidados, seja um amor "à prova de bomba', isto é, capaz de superar qualquer limite" 57.
Em outras palavras, o conceito de evangelização não implica a idéia de aniquilação, mas de valorização do patrimônio cultural dos povos aos quais queremos levar a mensagem cristã.
Texto extraído do livro "A humilde Cotidianidade" O Carisma das Oblatas de Nazaré de Francesco Gioia. 


Nosso pai fundador, Dom Alberico Semeraro



  1. Dom Alberico Semeraro, nasceu na cidade de Martina Franca, (Taranto – Itália) em 19 janeiro de 1903 no seio de uma família nobre.

Se destacou nos estudos no Seminário Maior de Roma, tanto que, o papa Bento XV, o premiou com o seu relógio pessoal de bolso pelo bom desempenho nos estudos.
Desenvolveu seu ministério presbiteral na região onde nasceu, em Taranto, depois foi nomeado e sagrado bispo em 1947 e enviado para a Diocese de Oria.
Assumiu a  diocese em um momento conturbado da história, em que a Igreja precisava enfrentar todo tipo de problemas deixados pela guerra. Diante dessas dificuldades foi inspirado por Deus a fundar o Instituto Religioso das Irmãs Oblatas de Nazaré. Mais tarde ele assim se exprime: "Preocupado com as necessidades do apostolado contemporâneo e meditando, na luz do plano divino, a figura de Maria Santíssima, amorosamente atenta às exigências da Igreja, apresentou-me como fecunda inspiração, a ideia de vida e ação: ajudar a atividade do clero em forma secudária mas, complementária àquela das almas femininas, que em espírito de consagração integrassem a sua obra, onde fosse útil, com serviços humildes: como as mulheres que, com Maria, seguiam as Jesus."
Em 1978, terminou o seu pastoreio junto à diocese de Oria e passou a dedicar a sua vida na organização e orientação da congregação, obtendo o reconhecimento pontifício da mesma, alguns anos depois, em 1984.
Passou os últimos anos de sua vida, sob os cuidados das Irmãs, sendo que boa parte deles foram transcorridos na sua casa paterna (em Martina Franca) que já pertencia ao Instituto das Oblatas de Nazaré e é onde hoje repousam seus restos mortais desde de maio de 2000.

O que é vida religiosa?

voc_002Religiosos são cristãos que gostam muito de Deus e querem dedicar sua vida toda a ele e aos irmãos. Os religiosos dedicam-se também, de acordo com os dons de cada um: ao anúncio do Evangelho pelas mais diferentes formas; a luta pelos direitos humanos e pela justiça; a formação e animação de comunidades; ao serviço missionário; ao serviço litúrgico…

Lembrando-se de Jesus que disse: “Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome eu estarei no meio deles” (Mt 18,20), os religiosos reúnem-se em comunidades e procuram se amar como se fossem uma família. Acontece, porém, que os religiosos não se escolhem para morar juntos. São pessoas de temperamentos diferentes, idades, culturas, regiões e até países diferentes que passam a viver como irmãos! Você já pensou colocar um grupo de homens ou de mulheres morando numa mesma casa, sem que eles se escolham, e depois combinarem e viverem felizes? É um sinal do Reino ou não? Por aí se vê que não é para fugir do mundo que os religiosos entram no convento, mas, ao contrário, para testemunharem a fraternidade entre si e irem ao encontro das pessoas. Só que de uma forma diferente: Amando-as por causa de Deus.

Os religiosos (as) fazem votos de pobreza, obediência e castidade. Por quê? Para imitarem a Jesus mais de perto nesses três aspectos: Pobreza, Obediência e Castidade. Vejamos um pouco mais sobre cada um desses votos:

Pobreza: o voto de pobreza não é nada mais que um compromisso de partilha em todos os níveis: intelectual, profissional, de dotes, de cultura etc. É também a intenção de empregar os bens materiais para a construção do Reino de Deus.

Obediência: obedecer, em última análise, é colocar-se nas mãos e no coração de Deus. É renunciar radicalmente a qualquer dominação sobre o outro. A obediência não é o voto que confere o poder, mas que o tira. Daí, aceitar ser parte, cooperar, estar com o outro. A obediência é o grande voto que constrói a união da comunidade!

Castidade: Jesus também não se casou. Ele podia muito bem ter-se casado, mas não quis, para poder ser mais disponível a todos os que precisassem dele. Uma vez ele explicou que há pessoas que não se casam para poder dedicar-se mais ao Reino de Deus. Mas depois acrescentou: só entende isso aquele a quem é dado entender (Mt 19,12). Isto é, só entende aquele a quem Deus dá este carisma, esta vocação.

Alguns jovens querem tornar-se religiosos como sacerdotes. São padres e também religiosos. Vivem em comunidade e fazem parte de uma Congregação religiosa. Há outros jovens que querem ser religiosos como irmãos. Vivem também em comunidade, fazem parte de uma congregação religiosa sem serem padres. Assim, numa mesma congregação, há padres e irmãos que vivem juntos, cada um desempenhando sua missão e juntos testemunhando o Reino de Deus entre os homens.

E há também as religiosas. São aquelas moças que sentem o chamado de Deus a deixar tudo e colocar-se inteiramente a serviço dos irmãos mais necessitados. Essas moças na congregação que escolhem vão receber uma preparação adequada para posteriormente consagrarem a vida a Deus como religiosas. São irmãs ou freiras.

 

Adaptado de http://paulinos.org.br/novo/blog/?p=76